HISTÓRIA - CASA ILHA DA MADEIRA | SP

PEQUENA HISTÓRIA DA CASA ILHA DA MADEIRA

 

 

 

 

A Imigração

 

No dia 17 de Outubro de 1967, um grupo de madeirenses, no qual lideravam o Sr. Jaime de Nóbrega e João da Cruz Nóbrega Correia, e alguns simpatizantes, se reuniram na Rua Mauá, 836 para fundar o natal, através dos Bailados e das músicas que o Grupo folclórico abrilhantavam em apresentações, já naquele ano participou de grandes festivais de folclore como o da Caravela da Saudade no ginásio do Ibirapuera e outros, e também nas quermesses da Igreja N.Sra. de Fátima no Imirim, local onde se concentravam muitos madeirenses.

 

Mais este grupo de madeirenses queriam muito mais, e depois de dois anos, como está na sua Ata de fundação. (Aos quinze (15) dias do mês de junho de 1969, reuniu se a Rua Mauá 836, casa 29ª nesta Capital um grupo de amigos na sua maioria originaria da Ilha da Madeira, Portugal, com o objetivo de fundar a Sociedade Amigos Ilha da Madeira, uma sociedade civil, cultural, beneficente e recreativa sem fins lucrativos, com personalidade jurídica própria para divulgação dos costumes das tradições, da cultura e do folclore da Ilha da Madeira, e para maior contacto social entre madeirenses de São Paulo), na qual também se denominaria como nome fantasia Casa ilha da Madeira.

Seu primeiro fundador foi Jaime de Nóbrega, e em 15 de setembro de 1969, foi alugado um imóvel, na Rua Voluntária da Pátria, para que fosse instalada a Sociedade, para uso da Diretoria e do grupo Folclórico e fazer suas festas típicas.


A primeira Diretoria da Sociedade foi formada assim:
Presidente: Jaime de Nóbrega;
Secretario: João da Cruz Nóbrega Correia;
Tesoureiro: Roberto de Souza;
Relações Públicas: João Eduardo Codrim;
Conselho fiscal: Colaboradores; Marcelo Barreto, José Gonçalo dos Santos M. Pessego e José Abel de Jesus Teixeira.

Após fazerem varias festas e arraias, e passando um livro de ouro, para arrecadar doações para comprar um terreno e construir a Sede própria, o sonho foi realizado em 04 de junho de 1972, o terreno situava na avenida Parara Pinto, 2896 Vila Amalia, Horto florestal, Zona Norte de São Paulo, no qual foi instalada a Pedra Fundamental, em que esteve presente o Governador de São Paulo Sr. Laudo Natel, o Consul de Portugal e outras personalidades.


Jaime de Nóbrega ficou na presidência de 1969 a 1973.

Na sua sucessão veio a presidir a Sociedade o Sr. João da Cruz Nóbrega Correia sua gestão foi de 1974 a 1977, no qual era responsável pelo Grupo folclórico, e deu andamento às obras iniciadas. Sucedeu lhe, o Sr. Cesar Fernandes Rosa, que continuou as obras anteriores e expandindo o espaço da Casa, adquirindo casas e terrenos vizinhos, onde é hoje um grande sobrado que esta instalado o Bar, dois salões, vestiários dos Grupos Folclóricos, e o terreno é hoje o estacionamento e a quadra de Sociaty, o Sr. Cesar Rosa ficou na presidência de 1978 a 1989.

 

O próximo sucessor foi o Sr. Francisco Evaristo Teixeira, que deu andamento as obras, na qual junto a Diretoria, foi construído onde era o salão de festas, uma obra com características de arquitetura da Ilha da Madeira, dando um ar mais típico a nossa Casa, Sr. Francisco Evaristo ficou na presidência de 1990 a 1993.

 

O próximo sucessor foi o Sr. Jose Manuel Dias Bettencourt, que de andamento e manutenção às obras, construção de uma biblioteca e modernização de alguns setores da Casa, inclusive apoio efetivo aos grupos folclóricos, o Sr. Bittencourt ficou na presidência de 1994 a 1999.

O presidente seguinte foi o Sr. Jose Rufino Teixeira, com uma ótima administração, consolidando, e modernizando ainda mais os setores da Casa, ficou na presidência de 2000 a 2001. O próximo a presidir a Casa foi o Sr. Adriano Gouveia Gaules, que manteve as obras existentes, manutenção e reforma a quadra de society, presidiu a Casa de 2002 a 2005.

 

Em seguida presidiu a Casa o Sr. Samuel ficou na presidência de 2006 a 2007. E em 2008 o Sr. José Manuel Dias Bettencourt, voltou a presidir a Casa e está até hoje, administrando com muita eficiência, modernizando as obras já existentes, e voltando nossa Casa a ter festas com muito público.